sexta-feira, 16 de setembro de 2016




 
literação


Sair sempre silente do sonho sumido, sumindo, sussurrando em silêncio o desalento
Depois descender devagar, desnorteadamente, à dispersa divagação do verso